terça-feira, 14 de abril de 2015

SILÊNCIO DE UM BEIJO



 "in silence"_ chiharu shiota



O meu silêncio não é acompanhado por melopeia,
dança na boca viúva da palavra.
Sem som ando a fingir que vivo no pensamento
e assim mudo,
baptizo todas as prisões com o perfume que o cérebro liberta.


Preso numa cela onde perecer ou sacudir dores
(num salto de milhares de ilusões)
é-me tão enfadonho como mergulhar no poema
onde me espelho.


A esperança de mim tão desatenta
eleva a voz apenas na imaginação. 

Até o sussurro vindo das pedras
é mais audível só de olhar para elas.


Hoje, confesso que preferia
adormecer ao som de uma canção de acalentar
e que as ilusões
não se calassem,
mas o meu silêncio é encantado,
precisa do beijo das palavras para despertar
sem sujar os lábios.


JFV
14/04/2015