quinta-feira, 28 de março de 2013

Nasci de um vento sem metas



 Pintura_Guilherme Parente

Nasci de um vento sem metas

Voei…
 
Alimentaram-me penas de poetas

cresci, amei...

Pais de páginas de ninguém
deram-me ninhos de folhas
por preencher.

Vivendo sem as palavras
Fiquei no vento
órfão de um livro infértil.

Ah, vida...

a minha foi vivida

quando a não tinha!

JFV