terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Um ano a mais, nada de mal...




Um ano a mais, nada de mal...

Mortos-vivos
seguiram-nos pelo sangue
e por todo o caminho são
que não percorremos.

Um ano a mais, nada de mal...
Perdemos a essência
de um país
e sobrevivemos
ao uivar de um lobo curvo
foragido da alcateia.

Um ano a mais, nada de mal...

Continuamos com a pele
em tom natural,
(o musgo cresceu-nos apenas nos olhos).
Os lábios
teceram cólera e dor.

Um ano a mais, nada de mal...

Não nascemos para andar
a pastar,
nem para nos levantar da cama
sem lavar a fome,
ou sem dar uma gargalhada
ou um grito.

Um ano a mais, nada de mal...

Um ano que chora, chora...
e rói-nos a vida que deixamos entreaberta,
por onde entrará um novo ano
que nos levará da náusea à conquista.

Um ano a mais, nada de mal...

No caixão os vampiros
fizeram um ano a mais.
Nada de mal se por lá permanecerem
com uma estaca no coração.

28/12/2012

JFV